Dentro e fora da nossa alma...

Numa época de desafios sem fim
Dentro e fora da nossa alma
Num mundo de coisas
Que assombram e estarrecem
Aborrecem e estremecem 
Há tantos caminhos para a fuga
Tantos esconderijos para o medo
Há tantas coisas sem explicação
Tanta dor e lágrima reprimida
Tanta ameaça, tanta trapaça
Que – para sobreviver
Para não enlouquecer
Fingimos não ver
O nosso coração
Conhece e sabe
A nossa alma
Sofre e sente
Sabe, mas finge não saber
Sentimos, mas fingimos não sentir
*
Esgotados pela ansiedade
Esmagados pela angústia
Açoitados pelo desespero
É tão conveniente
Não saber
É tão fácil
Lavar as mãos
É tão fácil
Virar as costas
É tão fácil correr
Fingir de fraco
Abdicar da luta e morrer
É tão fácil 
Fingir que não quer viver
Na tentação do desejo de não saber
É tão fácil 
Se perder e morrer
É tão fácil 
Correr e gritar: Não quero nem saber!
É tão fácil dormir e nunca mais acordar
É tão fácil, sem pensar 
Seguir a sina, o caminho
O desgosto e o destino
De um homem medroso e covarde...
_VBMello

Nenhum comentário :