A mesma sina...

Os mesmo ares antigos
As mesmas repetições
Outra história que se repete
A mesma sina
Renegado
Sem pedir
Sem desejar
Acidentalmente
Miseravelmente
Desgraçadamente
Nascer, sofrer e fazer sofrer
Sozinho na corda bamba
Sem peito nem colo
Sem afago ou carinho
Sem abraços e sem olhares
Estranho e sozinho no mundo
Sem querer, num de repente
Sair de casa... Livre
Cheio de fome
Apaixonar, amar e desesperar
Trabalhar, vagabundar
Decepcionar, fugir e correr
Conhecer o mundo
Conhecer tudo
Correr perigo
Tropeçar, cair
Sem querer
Vergonha, humilhação
Voltar para casa
Comer o pão
Que o diabo amassou
Apavorado, viver de solidão
Sofrer, sofrer... Perder tudo
Sonhar para outro realizar
Lutar contra o demônio
O coração disparado
O sangue coagulado nas artérias
Soldado de mil guerras perdidas
Cair de joelhos diante de Deus
Dar murro em ponta de faca
Insistir até perder o sono
Gritar, chorar, explodir
Perder a fé
Perder a esperança
Perder a cabeça
Perder a alma
Perder a calma
Andar em círculos
Acreditar em milagres
Não acreditar em nada
Desconfiar de tudo
Perder a fala
Perder o equilíbrio
Sem nada para falar
Perder o tino
Viver no desatino
Nunca dizer não ao destino
Fazer planos definitivos
Meu Deus, o que será de mim?
Qualquer dia, no mar
No fundo do mar
Bem longe daqui
Onde ninguém vê ou sabe
Mergulhar, sumir, sumir
Perecer, desaparecer
Para nunca mais
Voltar para casa
Sem olhar para trás
Sem levar saudade
Sem deixar saudade
Esquecer tudo
Esquecer todos
Parar de respirar
Desocupar o coração
Lavar as mãos
Esfriar a cabeça
Pouco me importa
Conheço o meu lugar
Estou acostumado
É a minha sina
Morrer para renascer
Longe, bem longe, muito longe
Vagar por outros destinos
Conhecer – longe daqui
Outras realidades
Navegar outros mares
Respirar outros ares
Caminhar – sozinho
Na direção de outros horizontes
Quebrar o espelho, romper o fio de prata
Num piscar de olhos, sem avisar
Quando ninguém estiver olhando
Passar para o outro lado
E olhar Deus e o diabo - face a face...
_VBMello

Nenhum comentário :