Depois de estar ferido de tanto lutar
Aprendi a descansar e a vencer
Depois de ter caído
Aprendi andar sozinho
E, andando, aprendi a voar
Por fim, perdi a fé
E a esperança se foi de mim
Largado sozinho, para morrer
No vale da morte, enfrentei
Homens, demônios e feras
Foi então, que eu comecei a crer
Hoje eu levo comigo, no corpo e na alma
As feridas abertas da minha fé...
VBMello

Um comentário :

Maria Rodrigues disse...

E a Fé ilumina o nosso caminho através da esperança.
Lindo poema.
Um abraço
Maria