Ilusões...

Ainda iludido com a ventura
Da sua própria bondade
Heroísmo, intenções
Valentia e força de vontade?
Tolinho, bobinho... 
Larga mão, dessas ilusões
Ninguém nunca lhe contou, meu irmão?
É fácil ser um herói de papel
Sentando na frente da TV
E comendo pipoca
Mas no calor da batalha
Quando a fé falha
Quando a depressão vence
O amor não floresce
E as nossas orações
Não são respondidas
Quando ficamos sozinhos
Apavorados e abandonados
Diante da vergonha da cruz
Quando um quarto escuro
E mais nada, é a nossa casa
E a noite é ameaçadora e sem estrelas
E o grito de socorro se perde no nada
Sem ter quem o responda
Ah, meu irmão, meu igual
Entre a luta e a fuga
Na hora mais escura
No tempo de dor e sofrimento
Preferimos a fuga
Preferimos as janelas fechadas
A cabeça coberta
Preferimos dormir
E nunca mais acordar...
_VBMello

Nenhum comentário :