Noites Escuras e Sem Estrelas...

Eles, todos eles...
Amigos e inimigos
Gente boa e gente má
Diante de anjos e demônios
Com os meus olhos e
Com os meus dentes afiados
Escandalizei
A solidão quando veio
Nos olhos eu a olhei
Da alma e do coração
Afrontei todas as fronteiras
E do abismo não afastei a face
A escuridão eu não temi
E no deserto
Faminto e sedento
Oh, arrependimento!
Pedras transformadas em pão
Eu comi
E repeti
E repeti
E repeti
E a minha fome ainda ali
Diante de mim
Diante de mim...
Olhando-me nos olhos...
Zombando
Largado na escuridão
Sozinho
Nas trevas mais absolutas
Sem saber para onde ir...
Talvez sonhasse
Ao longe vi uma luz que se acendeu
E logo se apagou...

V.B.Mello